Topo
O Mundo Mudou

O Mundo Mudou

Como um teste de DNA pode ajudar no combate ao preconceito?

Daniela Klaiman

28/11/2019 04h00

Unsplash

A curiosidade pelo nosso passado e origem existem desde sempre. Todos nós alguma vez já questionamos: qual a minha origem? Quem são os meus antepassados? 

A ascendência de cada um de nós e principalmente a história que é contada por nossas famílias (quando elas têm o privilégio de ter essa informação) tendem a marcar a maneira como nos enxergamos e justificamos nossas características e personalidades. Por exemplo, quem nunca teve um amigo que falou: "Ah… não repara que lá em casa todo mundo fala alto. Família de italianos, sabe como é?"

Mas e se eu disser que a maior parte de nós está errada quanto a sua origem? 

Você pode descobrir isso fazendo um teste de DNA, que permite identificar a sua ancestralidade e também propensão à doenças como câncer de mama, mal de Alzheimer e outras. 

Esses testes estão cada vez mais acessíveis, simples e rápidos graças ao avanço das tecnologias exponenciais. Em 1990 quando foi lançado o projeto Genoma, a análise e sequenciamento de DNA custou cerca de US$ 3 bilhões e levou 13 anos. Já hoje, esses testes são facilmente encontrados e vendidos diretamente ao consumidor em farmácias, sites e até na Amazon. 

Um dos principais fatores para a popularização é o preço, já que custam entre US$ 49 e US$ 200. É o caso das empresas Ancestry, que já coletou mais de 14 milhões de amostras e a 23andMe com 9 milhões de amostras coletadas no mundo (dados do MIT Technology Review). Aqui no Brasil temos a recém-chegada MeuDNA e também a Genera com valores de R$ 399 e R$199, respectivamente. 

Uma única origem

Um recente artigo publicado na revista Nature revelou que um vale no norte de Botsuana foi o berço dos homo sapiens há 200.000 anos, onde se encontra o rio Zambeze. Essa região também cobria partes da Namíbia e Zimbábue e abrangia um enorme lago que sustentou nossos ancestrais por 70.000 anos. Porém entre 110.000 e 130.000 anos atrás, o clima começou a mudar e pela primeira vez a população migrou para fora da África e, em seguida, foi se espalhando pelo resto do mundo.

Então agora vamos pensar sobre isso. Lembra aquele amigo de família italiana? Ele é antes de tudo africano! Provavelmente se hoje ele fizesse um teste de DNA, daria ao menos uma estatística de 0,1% de algum país da África. 

Finalmente temos acesso aos testes de DNA e, mais importante do que preencher os egos vaidosos daqueles que querem se afirmar como 60% europeus, poderemos quem sabe educar aqueles que são racistas. Está na hora de deixar nossas questões culturais e raciais de lado e lembrar que antes de tudo temos em nós mesmos múltiplas raças! 

Fica a torcida por mais situações como essas:

Sobre o teste de DNA, uma das entrevistadas resume bem o sentimento: "isso devia ser obrigatório. Não haveria algo como extremismos no mundo se as pessoas soubessem de fato suas raízes. Quem seria tolo o suficiente para pensar em raça pura?"

E se ficou curioso para saber as suas origens e mestiço de que você é, aproveita que tem várias promoções de BlackFriday vendendo análise de DNA. Quem diria?!

Sobre a Autora

Futurista formada em tecnologia e futurismo pelo TIP – Transdiciplinary Innovation Program da Universidade de Jerusalém. Expert em Consumer Behavior and Trends Research, Pós-graduada em Coolhunting & Trends pela Universidade de Barcelona e foi diretora de Planejamento e Consumer Insights da Box1824 durante 5 anos. Consultora e palestrante nas áreas de inovação, pesquisa de mercado, desenvolvimento de produtos, comportamento do consumidor e transformação digital, atua junto a grandes empresas mostrando o que elas devem fazer para sobreviver a esse novo mundo que vivemos e mudanças rápidas. Co-fundados de 2 startups: Unpark e WinWin.

Sobre o Blog

É possível analisar o futuro por 2 ângulos diferentes: aquele mais imediato, que prevê os acontecimentos dentro de 0 a 5 anos e é estudado e aprendido através do comportamento das pessoas; e outro ângulo mais longínquo, que enxerga um intervalo de tempo de 5 a 50 anos e que é totalmente baseado no desenvolvimento e uso da tecnologia. A ideia desse blog é justamente analisar os dois futuros juntos e entender como a tecnologia vai influenciar nossas vidas e como a forma como vivemos e nossos valores influenciam a tecnologia, atingindo um balanço complexo, porém em linguagem simples e quase chula, para que todos possam começar a pensar no futuro e entender que somos nós os responsáveis por construir um cenário positivo para todos. Ou não. O futuro está em nossas mãos e é um assunto urgente de ser tratado hoje.

O Mundo Mudou