Topo
O Mundo Mudou

O Mundo Mudou

Dilema moderno: ser humano ou ser ciborgue?

Daniela Klaiman

24/10/2019 04h00

Crédito: Unsplash

Na semana passada falei um pouco sobre o que é ciborgue e contei a história do Neil Harbisson. Pra quem não leu, segue o link.

E não foi que nessa última semana uma nova história cibernética ganhou destaque em vários jornais internacionais? Eis que um cientista optou por se tornar o primeiro ciborgue completo do mundo. Isto é, se tornar um ser 100% robótico!

O Dr. Peter Scott-Morgan foi diagnosticado há dois anos com a doença do neurônio motor, que afeta a fala, deglutição, movimentos do corpo, atividade muscular e até respiração. Diante do quadro de pouquíssima expectativa de vida, desafiou a ciência com o objetivo de estender a sua vida e se tornar o que ele mesmo chamou de Peter 2.0.

Por meio de cirurgias de transformação (parte de sua equipe é mesma que trabalhou com Stephen Hawking por anos), Peter terá os seus sentidos transformados em robóticos: poderá controlar seus computadores via movimentos dos olhos; terá a sua laringe retirada e sua fala armazenada em um banco de dados; por meio de um avatar, seu rosto poderá demonstrar emoções; e vai se movimentar via cadeira de rodas elétrica que o permite ficar sentado, deitado ou totalmente em pé.

Ainda assim, Peter teria suas necessidades fisiológicas afetadas. Por isso, ele passará por um processo cirúrgico para que sua alimentação seja por um tubo, com um cateter direto ligado à bexiga e uma bolsa de colostomia ao cólon.

Em seu Twitter, o Dr. Scott Morgan postou:

"ESSE É MEU ÚLTIMO POST como Peter 1.0. Amanhã eu substituo minha voz por potenciais décadas de vida, ao concluirmos o procedimento médico final para minha transição para um ciborgue completo, mês em que me disseram que estatisticamente eu estaria morto. Não estou morrendo, estou me transformando! Oh, como eu amo ciência !!!"

O avatar fala usando um mecanismo de conversão de texto em fala com uma voz gerada a partir de gravações da própria voz de Morgan e os movimentos animados são executados em uma cabeça digital gerada a partir do seu rosto. Crédito: Embody Digital.

Embora muitos venham a considerar o processo loucura, narcisismo ou uma tentativa de vencer a morte, a história de Peter 2.0 desafia o que até então entendíamos como ser humano. No caso de Neil, ser ciborgue foi uma escolha para desenvolver novos sentidos e habilidades sobre humanas. Mas e no caso de Peter, em que a utilização da tecnologia entra para prolongar sua expectativa de vida?

No futuro, todos seremos ciborgues.

Ainda que não da maneira extrema como o Dr. Scott Morgan optou, acredito que não seremos mais majoritariamente humanos do ponto de vista biológico. Por outro lado, o ser humano, como psicologia de consciência e pensamento, ainda estará em nós. Este será o momento em que questionaremos, afinal, O QUE É SER HUMANO?

Fica a reflexão.

"Aqui estou, preso apenas por causa das limitações físicas do meu corpo. Você imagina como será libertador passar talvez a maior parte do meu tempo em realidade virtual. E de repente eu posso andar novamente. Eu posso voar. Eu posso estar em qualquer lugar que eu quero estar. E você também pode. Você pode se juntar a mim. Podemos explorar universos que não existem. Isto é para todos nós. Eu só tenho a chance de ir a alguns lugares primeiro – ele termina, sorrindo. "Mas um dia você estará lá também."
Dr. Peter Scott – Morgan em entrevista para o The Times UK

Sobre a Autora

Futurista formada em tecnologia e futurismo pelo TIP – Transdiciplinary Innovation Program da Universidade de Jerusalém. Expert em Consumer Behavior and Trends Research, Pós-graduada em Coolhunting & Trends pela Universidade de Barcelona e foi diretora de Planejamento e Consumer Insights da Box1824 durante 5 anos. Consultora e palestrante nas áreas de inovação, pesquisa de mercado, desenvolvimento de produtos, comportamento do consumidor e transformação digital, atua junto a grandes empresas mostrando o que elas devem fazer para sobreviver a esse novo mundo que vivemos e mudanças rápidas. Co-fundados de 2 startups: Unpark e WinWin.

Sobre o Blog

É possível analisar o futuro por 2 ângulos diferentes: aquele mais imediato, que prevê os acontecimentos dentro de 0 a 5 anos e é estudado e aprendido através do comportamento das pessoas; e outro ângulo mais longínquo, que enxerga um intervalo de tempo de 5 a 50 anos e que é totalmente baseado no desenvolvimento e uso da tecnologia. A ideia desse blog é justamente analisar os dois futuros juntos e entender como a tecnologia vai influenciar nossas vidas e como a forma como vivemos e nossos valores influenciam a tecnologia, atingindo um balanço complexo, porém em linguagem simples e quase chula, para que todos possam começar a pensar no futuro e entender que somos nós os responsáveis por construir um cenário positivo para todos. Ou não. O futuro está em nossas mãos e é um assunto urgente de ser tratado hoje.

O Mundo Mudou